Login Login | Cadastro Cadastre-se | Favoritos Adicionar aos favoritos | Home Page Home Page
Buzios Turismo no Twitter
Buzios Turismo em FaceBook Blog da Buzios Turismo

A Colonização de Búzios

Por: Buzios Turismo

A terra dos índios se tornou aldeia e recebeu o nome de Armação dos Búzios, cuja origem é controversa: uma garante que vem da exploração da pesca da baleia que denominou antes a aldeia como Armação das Baleias; outra cita a palavra Armação como "local em que se aparelhavam navios para a pesca da baleia" (Aurélio); e ainda uma outra que afirma que o nome se originou dos "moluscos gastrópodes cujas carapaças vazias eram chamadas de "atapu" pelos índios, e batizadas de Buzios pelos portugueses" (Márcio Werneck, 1997).

Pintura de barcos no mar1501-1504 - Praia das Caravelas - O início de tudo. Américo Vespúcio aporta em Búzios e comanda a primeira expedição ao litoral brasileiro conhecida como ¨Entradas¨. Daqui também partiu Aleixo Garcia (seu escudeiro) que iniciou uma fantástica jornada até chegar ao Peru, onde havia minas de pedras preciosas. Após desembarcarem na praia das Caravelas, que dava acesso ao Sertão do Cabo Frio (área que compreende o Jardim Peró, Santo Antonio, Jardim Esperança, Buzios em sua totalidade, Campos Novos e adjacências), permaneceram cerca de três anos ancorados, usando a praia como porto nestas incursões. Neste período, tiveram dificuldades em se estabelecer, confrontando-se com tribos indígenas mais fortes (Tamoios, Aimorés Tupinambás e Goitacáses). Mesmo com dificuldades, conseguiram fundar alguns postos avançados que haveriam de ser a proteção que necessitavam para explorar as terras e formar cidades.

Com as chamadas ¨Armações¨ (acampamentos ou postos avançados, erguidos com a função de capturar índios para o trabalho escravo, de armazenar Ibirapitanga e de consertar e reformar embarcações) começa a nascer Búzios.

Em 1532 chega a primeira expedição de caráter colonizador com Martim Afonso de Souza, já com o conhecimento dos resultados das jornadas anteriores de Américo Vespúcio e suas Entradas. Os portugueses tinham duas opções para se estabelecer no Brasil.

Foto antiga de BuziosA primeira seria consolidar aqui na região a colônia, com as armações e o armazém fortificado de Cabo Frio, já estabelecidos. Supostamente seria mais fácil e prático fixarem-se por aqui e a segunda opção seria a armação montada por Aleixo Garcia em são Vicente - SP, onde os portugueses tinham a intenção de ficar mais próximos a Bacia do Rio Prata, pois dali seria mais fácil rumar até o ouro peruano. Porém, como o desejo imediato português era o de encontrar ricas jazidas de ouro e outros metais, resolvem então rumar a São Vicente e nesta data com o comandante Martim Afonso de Souza é fundado o primeiro núcleo de povoamento no Brasil em nossa área litorânea.

Martim Afonso de Souza já sabia que por favorecimento real teria assegurado para ele e seu irmão as duas melhores capitanias, então resolve de maneira estratégica escolher as capitanias de Pernambuco e São Vicente, passando o armazém fortificado de Cabo Frio para a ilha de Itamaracá em Pernambuco e fundando a colônia em são Vicente para as incursões atrás do sonhado ouro peruano, até então, sob poder dos espanhóis. Dois anos mais tarde foram criadas as capitanias hereditárias e Búzios estaria situada no segundo quinhão da capitania de Martim Afonso de Souza.

Em 1555, por não aceitar o tratado de Tordesilhas entre Portugal e Espanha, a França invade o território brasileiro ao comando de Villegaignon e funda na Baia de Guanabara a França Antártica. Sua intenção nesta ação objetiva e politicamente expansiva era a exploração de ibirapitanga em troca de objetos sem muito valor, de maneira amistosa, conquistando assim a confiança dos donos das terras.

A estratégia teve um sucesso tão grande que iludiu nossos índios e os mesmos fundaram com apoio logístico francês uma confederação contra os portugueses que se chamava, Confederação dos Tamoios. Esta grande demonstração de força indígena expandiu-se em todo litoral e uniu três poderosas nações, Tupinambás, Tamoios e Aimorés.

Pintura dos TamoiosTendo a confederação dos Tamoios como aliada e bem armada, os franceses constroem um forte que resiste durante dez anos às investidas portuguesas. No mesmo ano, com a retaliação aos franceses, Duarte da Costa usa os índios Goitacáses ao comando do Capitão Armador Estevão Gomes e começam uma incursão que inicia no Rio de Janeiro, arrasando as tribos dos Tamoios, instalando e ratificando as armações entre a Baia de Guanabara até a cidade que hoje chamamos de Campos dos Goitacáses.

Pitorescamente, a segunda parte do nome da cidade de ARMAÇÃO DOS "Buzios" vem da forma de comunicação utilizada pelos povos indígenas nestes locais onde se utilizavam dos Atapus (conchas vazias de imensos moluscos gastrópodes), como corneta quando avistavam os portugueses, podendo premeditar um ataque com quilômetros de antecedência. O atapú foi batizado pelos portugueses como Búzios, devido ao som ser estridente como o de uma buzina.

Aos Tupinambás, restou o destino da morte que vinha por vingança, graças ao fato ocorrido na capitania da Bahia, onde os indígenas comeram em um ritual antropofágico o donatário da capitania, Francisco Pereira Coutinho, causando grande indignação na corte Luso-Brasileira. Este genocídio dura 62 anos e o nosso litoral é banhando por um mar de sangue, derramado em nome de interesses feudais que acreditava na indigência de índios, matando e escravizando civilizações em nome de "Deus".

Em 1565, Estácio de Sá derrota os franceses depois de dez anos de resistência e estes por terem conhecimento que os militares portugueses haviam iniciado aparelhagem do local com armações de captura e armazéns de Pau-Brasil, refugiam-se em Buzios e Cabo Frio.

Entre 1567 e 1574 os portugueses chegam com tropas e a batalha contra os franceses e a confederação dos Tamoios tem inicio em território buziano e cabo-friense. A igreja católica em 1591 implanta o projeto jesuítico com uma nova visionária a fim de acabar com as barbáries contra a nação indígena dando apoio e cobertura aos povos massacrados pela escravização, instalando-se sempre em lugares de conflito onde há também o tráfico de índios.

Em 1600 as incursões iniciadas por Estevão Gomes 62 anos antes e ratificadas com a aniquilação dos franceses e a confederação dos Tamoios em Búzios e Cabo Frio, retornam a Guanabara deixando nas adjacências de uma das Armações o desenvolvimento colonizador.

Foi introduzida a indústria da pesca da baleia em 1603 no nordeste do Brasil. A estrutura da pequena vila da armação foi aproveitada, a fim de criar um posto de mastreação e velame (provavelmente clandestina, de corsários, pois a primeira armação legal da região foi instalada em 1729 em São Sebastião com monopólio do governo português) para embarcações pesqueiras de baleias.

Foto antiga da praia dos OssosInicia-se também nesta época a catequização indígena e os conflitos entre jesuítas e bandeirantes armadores nas capitanias. A verdade é que do contrabando de pau-brasil os portugueses passaram para o tráfico de escravos africanos que eram desembarcados clandestinamente em diversos ancoradouros da aldeia e daí levados para o Rio de Janeiro.

Em 1630, com a condenação do escravismo indígena divulgado pela igreja católica desde 1591, faz os jesuítas interferirem na briga, deslocando-se para as áreas de conflitos na intenção de cateczar, educar e dar apoio aos índios. Brás de Pina constrói em 1743 a 1ª igreja católica em Buzios, tornando-se a partir de então distrito da cidade de cabo frio e devido a necessidade do desenvolvimento da pesca as baleias para o aproveitamento do óleo na iluminação pública e na construção civil, ele recebe em 1746 o direito legal de explorar a caça da baleia no Brasil, fato que teria dado origem ao nome da praia dos Ossos. Outra hipótese para o nome teria sido um grande genocídio indígena cometido em 1865 com aproximadamente 5000 mortos.

Dezenas de escravos ficavam em roçados de banana, milho e feijão das fazendas da região, como a pioneira Fazenda Santo Inácio de Campos Novos (na região da Rasa), originalmente construída pelos jesuítas que ali viviam em 1630 a catequizar índios e confiscada, em 1757, pelos portugueses e vendida a fazendeiros ricos e escravagistas que enfrentaram mais tarde a resistência de quilombos.

Em 1759, Marques do Pombal expulsa os jesuítas do território português pela oposição ferrenha ao escravismo. A fazenda Santo Inácio dos Campos Novos é vendida para grandes fazendeiros. No início do século, a Campos Novos foi comprada pelo empreendedor alemão Eugène Honold que tentou transformá-la em fonte de exportação de banana. Querido por uns, odiado por outros, "o alemão" desistiu, entregou a terra para feitores que passaram a ter graves problemas com empregados e arrendatários (atualmente está decadente, deteriorada, saqueada e abandonada pelo o governo de Cabo Frio que se tornou proprietário, em 1993, num processo de desapropriação).

Foto antiga da Orla BardotEntre 1750 e 1870 inicia-se a colonização definitiva, com interesses no desenvolvimento da agricultura e da pesca, utilizando-se da mão de obra escrava. Após a proibição da venda de escravos e a implementação da lei do Ventre Livre o tráfico continuava através do capitão José Gonçalves, permanecendo até o ano de 1888. Esta mão de obra escrava era aproveitada em fazendas, principalmente no plantio de bananas. Os outros negros que vinham refugiados do interior do estado, do plantio da cana, estabeleciam-se entre a Fazendinha (José Gonçalves) e a Rasa, formando um Quilombo.

Com a evolução da colonização, famílias influentes penetraram de forma definitiva na vida e no desenvolvimento de uma nova civilização, passando a lotear as terras herdadas, organizando-se em comunidades e deixando descendentes nativos, misturados aos negros e a muitas outras raças de visitantes que resolveram viver em Búzios, conquistados pela exuberância da natureza.

Antonio Alípio da Silva foi o primeiro representante político do então 3º distrito e a partir de 1940 começou a vida política de Buzios com a participação de alguns representantes na câmara municipal de Cabo Frio.

Búzios cresceu e começou a receber personalidades ilustres como Brigite Bardot que abriu as portas da cidade para o mundo no ano de 1962.

Foto antiga de BuziosA partir de então, a cidade despertou para o turismo internacional, atraindo gente famosa e absorvendo identidade exclusiva de características ecléticas e excêntricas. Ativistas políticos como Toninho Português, Marcos Canhedo e Manuel Gomes, juntaram-se a movimentos populares que surgiram em favor da emancipação, visto que Buzios encontrava-se desordenada e abandonada a própria sorte, em um momento de desenvolvimento social importante. Já em condições de organizar-se e caminhar por suas próprias pernas, o movimento pró-emancipação tomou forma, e alguns vereadores que compartilhavam desta necessidade, como o arquiteto Otávio Raja Gabaglia, tiveram papel fundamental nesta decisão política.

A emancipação veio no ano 1996 e o povo elegeu no voto popular o Prefeito Delmíres de Oliveira Braga, nativo, filho de pescador, conduziu a cidade até o ano de 2000, conseguindo se reeleger por mais quatro anos na intenção de continuar melhorando a qualidade de vida dos seus habitantes e turistas.